Peixe é saudável? Entendendo os riscos do consumo de peixes.

Poucos produtos alimentares são tão controversos quanto os peixes. Apesar de ser uma das principais fontes de metais pesados ​​e outros contaminantes, algumas pessoas ainda promovem o peixe como fonte de ácidos graxos ômega-3. 

Compreendendo o Mercúrio

O Mercúrio se acumula na vida aquática, concentrando-se especialmente em grandes peixes predatórios. Das fontes potenciais de contaminação por mercúrio, o consumo de peixe e marisco é a que mais contribui para a concentração de mercúrio em seres humanos (1)

Quase todos os peixes contêm traços de mercúrio. Alguns peixes e mariscos tendem a conter níveis mais elevados, quer porque vivem em águas mais contaminadas ou porque são grandes carnívoros que consomem muitos peixes menores contaminados. Como o mercúrio é eliminado lentamente do corpo, ele pode criar níveis muito altos nos sistemas de animais – incluindo humanos – que o consomem.

Os níveis de contaminação variam muito de um lugar para outro e mesmo individualmente entre peixes. Portanto, mesmo os consumidores bem informados não têm como saber se os peixes que compraram têm um alto ou baixo nível de contaminação por mercúrio. Mesmo o consumo pequeno de peixes moderadamente contaminados pode colocar os consumidores em risco (2).

Efeitos da contaminação por Mercúrio

A exposição ao Mercúrio tem sido associada a uma grande variedade de doenças, incluindo efeitos agudos e crônicos nos sistemas cardiovascular e nervoso central. Além disso, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) e a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) designaram mercúrio como possível carcinógeno humano (1).

Mercúrio e coração

O Mercúrio se acumula no coração, bem como em outros tecidos, e tem sido associado ao aumento da pressão arterial, ao aumento da freqüência cardíaca e ao aumento das taxas de morte por doença cardiovascular em pelo menos 12 estudos científicos (1).

O consumo de peixes e ácidos graxos ômega-3, incluindo o ácido docosahexaenônico e ácido eicosapentaenóico, tem sido associado à diminuição do risco de ataque cardíaco em indivíduos que consomem uma dieta de estilo ocidental (3,4). No entanto, três estudos recentes demonstraram que a exposição ao mercúrio pode ter efeito oposto. Em um estudo, os níveis de mercúrio foram 15% maiores entre os pacientes que sofreram um primeiro ataque cardíaco (5). Um segundo estudo mostrou aumento do risco de mortalidade cardiovascular com aumento da exposição ao mercúrio (6). O terceiro estudo descobriu que um alto teor de mercúrio no cabelo pode ser um fator de risco para eventos coronários agudos, doenças cardiovasculares, doenças cardíacas coronárias e mortalidade por todas as causas em homens de meia idade. Este estudo também descobriu que o mercúrio pode negativar os supostos efeitos protetores dos peixes na saúde do coração (7).

Outros poluentes no peixe

Existem vários outros poluentes que se acumulam em peixes e mariscos. Em conjunto, os bifenilos policlorados (PCBs), a Dioxina, o Clordano e o DDT. Muitas outras toxinas, incluindo outros metais pesados ​​e pesticidas organoclorados, também encontram caminho para a água e a vida aquática. Estes poluentes são tóxicos para humanos, peixes e outros animais que os consomem e os bioacumulam. Muitos desses produtos químicos são especialmente problemáticos porque não são facilmente eliminados do corpo e se acumulam ao longo da vida. Assim, mesmo que a exposição seja limitada a um período de tempo discreto, os riscos potenciais persistem.

Os PCBs são cancerígenos conhecidos em algumas espécies e prováveis carcinógenos ​​em humanos. Os PCBs também demonstraram ser disruptores imunológicos, e também causarem dificuldades de aprendizagem e serem disruptores para o desenvolvimento neurológico; e possivelmente, também endócrinos.

As dioxinas também são carcinógenos conhecidos e ja foi demonstrado causarem danos ao fígado, perda de peso, “rash” cutâneo e reduções na função imune (9). Elas são especialmente perigosas durante o desenvolvimento fetal e infância (10). Clordane e DDT, um organoclorado, são pesticidas que foram proibidos de nos Estados Unidos. No entanto, níveis apreciáveis ​​destes produtos químicos altamente tóxicos permanecem nas vias navegáveis ​​e ficam bioacumulados nos peixes (11)

Composição Nutricional do Peixe

Como outras carnes, os peixes são especialmente densos em proteína animal (15 a 20 gramas em uma porção cozida de 85g). As dietas contendo proteína excessiva estão associadas ao aumento do risco de insuficiência renal (13) osteoporose (14) e complicações do diabetes (15). A promoção de produtos de peixe pode aumentar a ingestão de proteínas e agravar esses riscos.

Além disso, aumentar a ingestão de peixe aumentaria a ingestão de gordura total e gordura saturada. Embora algumas das gorduras nos peixes sejam ômega-3, grande parte da gordura restante é saturada. Salmão Chinook, por exemplo, possui 52% de suas calorias de gordura, e o peixe-espada tem 30%. Cerca de 1/4 da gordura em ambos os tipos de peixes está saturada. Peixes e mariscos também são fontes significativas de colesterol. Cerca de 85g de camarão têm 166 mg de colesterol, enquanto a mesma quantidade de Robalo tem cerca de 80 miligramas; Em comparação, um bife de 85g tem cerca de 80 miligramas (16).

Outros Riscos para a Saúde

(AP Photo/Bebeto Matthews)

Também podem haver riscos específicos para o consumo de peixe. Por exemplo, um estudo de 2004 analisou a dieta e o câncer de próstata em homens japoneses e mostrou que um alto consumo de peixe estava significativamente associado ao risco de câncer de próstata (17).

Em um estudo de revisão abrangente, ficou determinado que os pratos de peixe e marisco causaram mais surtos de doenças transmitidas por alimentos do que qualquer outro tipo de comida entre 1990 e 2003 (18) Esses surtos podem resultar de contaminação bacteriana ou viral ou de toxinas que ocorrem naturalmente – e que não são destruídas pelo cozimento (19).

Uma maneira mais saudável de vencer a doença cardíaca

O peixe é frequentemente promovido por seus possíveis benefícios relacionados a doenças cardíacas. No entanto, já é sabido que as dietas vegetarianas ajudam a prevenir, e até reverter, a doença coronariana. Os produtos de origem animal são a principal fonte de gordura saturada e a única fonte de colesterol na dieta. Além disso, as fibras ajudam a reduzir os níveis de colesterol (20) e os produtos animais não contêm fibra. Quando os indivíduos mudam para uma dieta rica em fibras e com baixo teor de gordura, seus níveis de colesterol sérico geralmente diminuem dramaticamente (21,22)

Estudos demonstraram que uma dieta com baixo teor de gordura, alta ingestão de fibras, vegetariana ou vegana combinada com técnicas de redução de estresse, cessação do tabagismo, e exercício, ou combinada com uma intervenção prudente de medicamentos, poderia, na verdade, reverter a aterosclerose (23,24)

Fontes mais seguras de ácidos graxos ômega-3

Níveis elevados de toxinas, gorduras e colesterol e falta de fibra fazem do peixe uma escolha dietética fraca. Pesquisas mostraram que os ômega-3 são encontrados de forma mais estável em vegetais, frutas e feijão (26,27).

Fontes vegetais de ômega-3

O ácido alfa-linolênico, o único ácido graxo ômega-3 essencial, é encontrado em muitos vegetais, feijões, nozes, sementes e frutas. Está concentrado em sementes de linhaça e óleo de linhaça e também é encontrado em óleos como canola, soja, noz e germe de trigo. Os ácidos graxos ômega-3 podem ser encontrados em nozes, sementes e produtos de soja, bem como feijões, legumes e grãos integrais (28,29). Os óleos de milho, cártamo, girassol e algodão são geralmente baixos em ômega-3. O consumo de peixe não é, de modo algum, o único meio de assegurar a ingestão adequada de ácidos graxos ômega-3.

Conclusão

Dada a evidência clara de que os peixes são comumente contaminados com toxinas que têm efeitos prejudiciais bem conhecidos e irreversíveis em crianças e adultos, o consumo de peixes não deve ser encorajado. Os riscos são conhecidos e, especialmente para lactentes e mulheres em idade fértil, significativos. Os outros riscos associados ao consumo de peixes e mariscos, que são ricos em proteína animal e muitas vezes gorduras saturadas e colesterol, também são consideráveis. É melhor evitar o consumo de peixe e marisco. Outros alimentos mais saudáveis ​​de fontes vegetais oferecem a gama completa de nutrientes essenciais sem as toxinas e outros riscos para a saúde dos peixes.

Fonte: http://www.pcrm.org/health/reports/fish

Referencias
1. Committee on the Toxicological Effects of Methylmercury, National Research Council. Toxicological effects of methylmercury. Washington, DC: National Academy Press; 2000.
2. Bender M. Letter to FDA about better protecting women and children from exposure to mercury, February 24, 2004. Available at:www.mercurypolicy.org/new/fdaletter022404.html. Accessed January 2007.
3. Hu FGB, Bronner L, Willett WC, et al. Fish and omega-3a fatty acid intake and risk of coronary heart disease in women. JAMA. 2002;287:1815-1821.
4. Siscovick DS, Raghunathan TE, King I, et al. Dietary intake of long-chain n-3 polyunsaturated fatty acids and the risk of primary cardiac arrest. Am J Clin Nutr. 2000;71:208S-212S.
5. Guallar E, Sanz-Gallardo MI, van’t Veer P, et al. Heavy Metals and Myocardial Infarction Study Group. Mercury, fish oils, and the risk of myocardial infarction. N Engl J Med. 2002;347:1747-1754.
6. Salonen JT, Seppanen K, Nyyssonen K, et al. Intake of mercury from fish, lipid peroxidation, and the risk of myocardial infarction and coronary, cardiovascular, and any death in eastern Finnish men. Circulation. 1995;91:645-655.
7. Virtanen JK, Voutilainen S, Rissanen TH, et al. Mercury, fish oils, and risk of acute coronary events and cardiovascular disease, coronary heart disease, and all-cause mortality in men in eastern Finland. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2005;25(1):228-233.
8. United States Environmental Protection Agency. 2004 national listing of fish and wildlife advisories, fact sheet, September 2005. Available at:http://epa.gov/waterscience/fish/advisories/fs2004.html#figure1. Accessed January 2007.
9. United States Environmental Protection Agency. Dioxins. Available at: www.epa.gov/ebtpages/pollchemicdioxins.html. Accessed January 2007.
10. United States Environmental Protection Agency. Persistent bioaccumulative and toxic (PBT) chemical program: dioxins and furans. April 2003. Available at: www.epa.gov/pbt/dioxins.htm. Accessed April 2004.
11. Mahaffey KR. Methylmercury: epidemiology update. Presentation at the national forum on contaminants in fish, San Diego, January 28, 2004.
12. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Trends in intake of energy and macronutrients—United States, 1971-2000. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2004;53(4):80-82.
13. Knight EL, Stampfer MJ, Hankinson SE, Spiegelman D, Curhan GC. The impact of protein intake on renal function decline in women with normal renal function or mild renal insufficiency. Ann Int Med. 2003;138:460-467.
14. Feskanich D, Willett WC, Stampfer MJ, Colditz GA. Protein consumption and bone fractures in women. Am J Epidemiol. 1996;143:472-479.
15. Gin H, Rigalleau V, Aparicio M. Lipids, protein intake, and diabetic nephropathy. Diabetes Metab. 2000;26:45-53.
16. Pennington JAT, Douglass JS. Bowes and Church’s food values of portions commonly used. 18th ed. Baltimore, Md: Lippincott Williams & Wilkins; 2005.
17. Allen NE, Sauvaget C, Roddam AW, et al. A prospective study of diet and prostate cancer in Japanese men. Cancer Causes Control. 2004;15(9):911-920.
18. Center for Science in the Public Interest. 2004 outbreak alert! closing the gaps in our federal food-safety net, 6th Edition. Available at:http://cspinet.org/new/pdf/outbreakalert2004.pdf. Accessed January 2007.
19. CDC Division of Bacterial and Mycotic Diseases. Disease listing: marine toxins. Available at:http://www.cdc.gov/ncidod/dbmd/diseaseinfo/marinetoxins_g.htm. Accessed January 2007.
20. Sacks FM, Castelli WP, Donner A, Kass EH. Plasma lipids and lipoproteins in vegetarians and controls. N Engl J Med. 1975;292:1148-1152.
21. Barnard RJ, Inkeles SB. Effects of an intensive diet and exercise program on lipids in postmenopausal women. Womens Health Issues. 1999;9:155-161.
22. Barnard ND, Scialli AR, Bertron P, Hurlock D, Edmonds K, Talev L. Effectiveness of a low-fat vegetarian diet in altering serum lipids in healthy premenopausal women. Am J Cardiol. 2000;85:969-972.
23. Ornish D, Brown SE, Scherwitz LW. Can lifestyle changes reverse coronary heart disease? Lancet. 1990;336:129-133.
24. Esselstyn CB Jr, Ellis SG, Medendorp SV, Crowe TD. A strategy to arrest and reverse coronary artery disease: a 5-year longitudinal study of a single physician’s practice. J Fam Pract. 1995;41:560-568.
25. Raitt MH, Connor WE, Morris C, et al. Fish oil supplementation and risk of ventricular tachycardia and ventricular fibrillation in patients with implantable defibrillators: a randomized controlled trial. JAMA. 2005;293(23):2884-2891.
26. Odeleye OE, Watson RR. Health implications of the n-3 fatty acids. Am J Clin Nutr. 1991;53:177-178.
27. Kinsella JE. Reply to O Odeleye and R Watson. Am J Clin Nutr. 1991;53:178.
28. Hunter JE. n-3 Fatty acids from vegetable oils. Am J Clin Nutr. 1990;51:809-814.
29. Mantzioris E, James MJ, Gibson RA, Cleland LG. Dietary substitution with an alphalinolenic acid-rich vegetable oil increases eicosapentaenoic acid concentrations in tissues. Am J Clin Nutr. 1994;59:1304-1309.

Os comentários estão encerrados.