Líderes de saúde devem se concentrar nas ameaças da pecuária, diz o New York Times.

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde – que trabalha globalmente para melhorar a saúde humana – se reuniu em Genebra para selecionar um novo diretor-geral, com uma missão: que ele assuma o problema das fazendas industriais, uma grande ameaça à saúde e ao meio ambiente.

Começando logo após a Segunda Guerra Mundial, a produção animal nos Estados Unidos tornou-se cada vez mais industrializada. As fazendas semelhantes a fábricas aumentaram radicalmente o número de vacas, frangos e porcos que poderiam crescer e serem abatidos com eficiência econômica. Esta é uma das razões pelas quais o consumo de carne aumentou acentuadamente nos Estados Unidos após a guerra. Assim como em todo o mundo, a produção de carne triplicou nas últimas quatro décadas e aumentou 20% nos últimos 10 anos, de acordo com pesquisas do Worldwatch Institute, um grupo de pesquisa ambiental.

Essa mudança radical na produção e consumo de carne teve graves conseqüências para nossa saúde e meio ambiente, e esses problemas só vão piorar ainda mais, se as tendências atuais continuarem.

Assumir essa questão como um problema de saúde pública está bem dentro do mandato da OMS. Dirigindo-se à Assembléia Mundial da Saúde do ano passado, Margaret Chan, diretora geral da organização, denominou as bactérias resistentes a antibióticos, as alterações climáticas e as doenças crônicas de “três desastres em câmera lenta” que moldam a paisagem da saúde global. As fazendas industriais conectam os pontos entre eles.

A inundação de carne e produtos lácteos baratos tem contribuído substancialmente para a crescente incidência de doenças crônicas. O Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington estimou que mais de meio milhão de óbitos em todo o mundo em 2015 estavam ligados a dietas ricas em carne processada e vermelha, as quais a OMS agora classifica como cancerígena e “provavelmente cancerígena”, respectivamente.

nytimesporcoUm problema potencialmente maior são as superbactérias, que são bactérias resistentes a antibióticos que proliferam entre animais confinados em fazendas industriais. Cerca de 75% dos antibióticos utilizados nos Estados Unidos e os países da União Européia são utilizados na agricultura. O uso indiscriminado desses medicamentos tem como objetivo prevenir a doença entre os animais densamente amontoados nessas fazendas e acelerar seu crescimento.

Como resultado deste uso generalizado, os seres humanos, sem saber, ingerem antibióticos em baixas doses da carne que comem e da água tratada que bebem de cursos de água poluídos por resíduo animal. À medida que as bactérias desenvolvem resistência aos antibióticos, muitos podem se tornar ineficientes até mesmo contra doenças como pneumonia ou infecções do trato urinário.

O impacto das fazendas industriais sobre as mudanças climáticas também é profundo. Essas operações geram mais emissões de gases de efeito estufa do que todas as formas de transporte combinadas. Um estudo de 2014 na revista Climatic Change descobriu que as emissões de gases de efeito estufa relacionadas a alimentos podem ocupar a maior parte do recurso de carbono remanescente do mundo – ou a quantidade de gases de efeito estufa que ainda podem ser emitidos e manter as temperaturas globais em 2050 a não mais que 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. Mudanças na dieta que envolvem consumo reduzido de carne e lácteos “são cruciais para atingir” o objetivo da temperatura em 2050 “com alta probabilidade”, concluiu o estudo.

Outro estudo de 2014 na Grã Bretanha descobriu que os consumidores de carne eram responsáveis pelo dobro das emissões de gases de efeito estufa das pessoas em dietas vegetarianas. E estudos recentes calcularam que se as diretrizes de saúde sobre o consumo de carne fossem seguidas em todo o mundo, as emissões de gases de efeito estufa relacionadas a alimentos poderiam ser reduzidas em 29% a 45%. Claro, isso exigiria grandes mudanças nos sistemas alimentares.

Mas as campanhas nacionais e globais já enfrentaram grandes ameaças à saúde pública, mesmo quando essas ameaças foram apoiadas por multinacionais corporativas. Um exemplo disso é a Convenção de Controle do Tabaco da OMS, um tratado internacional que promove políticas de proibição de tabaco entre os países participantes. A OMS pode levar uma abordagem semelhante às fazendas industriais.

Uma carta aberta divulgada e assinada por mais de 200 cientistas, especialistas em políticas e etc., exigiu do candidato para o cargo de diretor-geral, reconhecer e abordar a agricultura industrial como um desafio de saúde pública. Os signatários fazem uma série de recomendações políticas. Entre eles, a OMS deve incentivar seus quase 200 países membros a:

  • Proibir o uso de antibióticos que promovam o crescimento na criação de animais e incentivar os produtores de carne a descartar antibióticos e resíduos animais de forma a prevenir a contaminação ambiental.doencas-coracao
  • Pare de subsidiar a produção agrícola industrial.
  • Adote padrões de nutrição e implemente campanhas de educação que alertem sobre os riscos para a saúde do consumo de carne.
  • Financie pesquisas em alternativas vegetarianas para a carne.
  • Os danos causados pela agricultura industrial são de natureza global: as bactérias resistentes aos antibióticos não reconhecem as fronteiras, nem as mudanças climáticas; e os sistemas de saúde em todos os lugares tendem a enfrentar os desafios do aumento das doenças crônicas.
  • Comer animais pode ter sido útil para a nossa sobrevivência no passado. Mas agora, está nos matando.

NYtimes2

Fonte: 

Health Leaders Must Focus on the Threats From Factory Farms

1 Comentário

  1. Antônio Brito disse:

    Nós veganos já sabemos disso. Mas o poder das corporações é muito forte. FAÇAMOS A CONEXÃO E A REVOLUÇÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *