Dietas Vegetarianas ao longo do Ciclo de Vida. É possível ser Vegano por toda a vida?

É a posição da Academia de Nutrição e Dietética dos Estados Unidos, publicada em Dezembro/2016, que dietas vegetarianas, incluindo veganas bem planejadas são apropriadas para todos os estágios do ciclo de vida, incluindo gravidez, lactação, infância, adolescência, idade adulta, idosos e para atletas e satisfazem as necessidades nutricionais e promovem o crescimento normal em todas as fases do ciclo de vida. As dietas vegetarianas e vegetarianas estritas (veganas) são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem proporcionar benefícios de saúde para a prevenção e tratamento de certas doenças.

journal-adn

Mulheres grávidas e lactantes

Pesquisas indicam que quando o acesso aos alimentos é adequado, os resultados da gravidez vegetariana, como peso ao nascer e duração da gravidez, são semelhantes aos da gravidez não vegetariana [1,2,3]. O uso de uma dieta vegetariana no primeiro trimestre resultou em menor risco de excesso de ganho de peso gestacional em um estudo [88]. Dietas maternas ricas em alimentos vegetais podem reduzir o risco de complicações da gravidez, como diabetes gestacional [4,5].

Artigos sobre a posição e a prática da Academia de Nutrição e Dietética estão em “Nutrição e Estilo de Vida para um Resultado de Gravidez Saudável” [6, 7] com orientação adequada para vegetarianas grávidas. É necessária especial consideração para o ferro, zinco, vitamina B-12 e EPA/DHA [3,5].

Dependendo das escolhas dietéticas, as vegetarianas grávidas devem ter maior ingestão de ferro do que as não vegetarianas e são mais propensas a usar suplementos de ferro [8]. Devido ao potencial de ingestão inadequada e aos efeitos adversos da deficiência de ferro, recomenda-se um suplemento de ferro de baixa dosagem (30 mg) na gravidez [9]. A quantidade recomendada de ferro pode ser fornecida através de um suplemento pré-natal, um suplemento de ferro separado ou uma combinação destes.gravida

Não existe evidência suficiente de que a ingestão e o status de zinco seja diferente de gestações não-vegetarianas [3,5]. Devido ao aumento da necessidade de Zinco na gestação e a menor biodisponibilidade em dietas baseadas em grãos e leguminosas de alto fitato, recomenda-se aumentar ingestão de zinco e usar técnicas de preparação que melhorem a biodisponibilidade [1]. As vegetarianas grávidas e lactantes precisam de dieta regular e adequada e /ou fontes suplementares de vitamina B-12 [1,5,7].

Os lactentes de mulheres vegetarianas têm menores concentrações plasmáticas de DHA e o leite materno de vegetarianos é mais baixo em DHA [1]. Esses ácidos graxos n-3 podem ser sintetizados em certa medida a partir do ácido a-linolênico, mas as taxas de conversão são baixas (embora um pouco melhoradas na gravidez) [5]. As vegetarianas grávidas e lactantes podem se beneficiar de fontes diretas de EPA e DHA derivadas de microalgas [7].

Bebês, Crianças e Adolescentes

A amamentação exclusiva é recomendada nos primeiros 6 meses. Se a amamentação não é possível, deve ser usada fórmula comercial para lactentes como a bebida primária para o primeiro ano. Os alimentos complementares devem ser ricos em energia, proteína, ferro e zinco, podendo incluir homus, tofu, leguminosas bem cozidas e purê de abacate [17]. O leite de soja fortificado, ou leite de vaca, pode ser iniciado com 1 ano de idade para crianças que estão crescendo normalmente e comendo uma variedade de alimentos [11]. Crianças vegetarianas e adolescentes estão em menor risco do que as não-vegetarianos para sobrepeso e obesidade. Crianças e adolescentes com valores de IMC na faixa normal têm maior probabilidade de também estar dentro do normal quando adultos, resultando em redução significativa do risco de doença [12].  Outros benefícios de uma dieta vegetariana na infância e adolescência incluem maior consumo de frutas e vegetais, menos doces e lanches salgados e menor ingestão de gordura total e saturada [13]. Consumir dietas vegetarianas equilibradas no início da vida pode estabelecer hábitos saudáveis ao longo da vida [17].bebe-vegano

A idade máxima de início para os distúrbios alimentares mais comuns é nos anos da adolescência. Transtornos alimentares têm uma etiologia complexa e uso prévio de uma dieta vegetariana ou vegana não parece aumentar o risco de um transtorno alimentar, embora alguns indivíduos com desordem pré-existente podem escolher essas dietas para ajudar na sua limitação da ingestão de alimentos [1,17].

Nutrientes que podem exigir atenção no planejamento de dietas nutricionalmente adequadas para jovens vegetarianos incluem ferro, zinco, vitamina B-12 e para alguns, cálcio e vitamina D. criancas-veganasA ingestão média de proteínas de crianças vegetarianas geralmente atendem ou excedem as recomendações. As necessidades de proteínas nas crianças veganas podem ser ligeiramente maiores do que aquelas de crianças não-veganas devido às diferenças na digestibilidade de proteínas e na composição de aminoácidos [1]. Recomendações de 30% a 35% mais proteínas para veganos de 1 a 2 anos de idade, 20% a 30% para 2 a 6 anos de idade e 15% a 20% a mais para crianças com idade superior a 6 anos [1,11]. Embora fatores dietéticos possam limitar a absorção de ferro e zinco, deficiências desses minerais são incomuns em crianças vegetarianas em países industrializados. O status de ferro e zinco de crianças com dietas vegetarianas muito restritas deve ser monitorado. O suplemento de ferro e zinco pode ser necessário nesses casos [14].

A ingestão de vitamina B-12 de crianças e bebês veganos deve ser avaliada e alimentos fortificados e/ou suplementos usados conforme necessário para assegurar a adequação.

Idosos

As ingestões de nutrientes de vegetarianos idosos parecem ser semelhantes ou melhores do que as dos não-vegetarianos [1]. As necessidades calóricas geralmente diminuem com a idade, enquanto a demanda para alguns nutrientes aumenta; portanto, é importante que todos os idosos escolham dietas ricas em nutrientes. dr-ellsworth2Algumas evidências sugerem que a proteína é usada menos eficientemente com o envelhecimento, o que pode se traduzir em exigências mais altas de proteína [16]. Assim, é importante que os vegetarianos e veganos mais velhos incluam alimentos ricos em proteínas na sua dieta, como leguminosas e alimentos de soja. Os análogos de carne podem ser úteis como fontes protéicas. Idosos sintetizam a vitamina D de forma menos eficiente e são susceptíveis a necessidade de suplementos, especialmente se a exposição ao sol é limitada [18]. As recomendações mais elevadas de cálcio para adultos mais velhos podem ser satisfeitas mais facilmente quando se incluem alimentos fortificados, como leites vegetais. A necessidade de vitamina B-6 aumenta com o envelhecimento e pode ser maior do que as recomendações diárias. A gastrite atrófica é comum entre pessoas com idade superior a 50 anos e pode resultar em diminuição da absorção de vitamina B-12 a partir de produtos de origem animal. Portanto, muitos idosos, independentemente da dieta, necessitam de suplementos de vitamina B-12.

SITES INTERNACIONAIS SOBRE VEGETARIANISMO

Sites profissionais e para consumidores sobre nutrição vegetariana, alimentos e tópicos relacionados. Muitos desses sites fornecem materiais educacionais de alta qualidade sobre os quais o nutricionista e outros profissionais de saúde podem confiar.

www.vndpg.org

The Vegetarian Nutrition Dietetic Practice Group (VNDPG) member benefits include professional information on vegetarian nutrition, RDN resources, and quarterly newsletters.

www.vegetariannutrition.net

VNDPG’s consumer website provides a blog with evidence-based vegetarian nutrition plus RDN resources for consumers.

www.vrg.org

The Vegetarian Resource Group provides nutrition information, recipes, meal plans, and recommended readings for vegetarian nutrition.

www.PCRM.org

The Physicians Committee for Responsible Medicine promotes preventive medicine through innovative programs and offers free patient educational materials.

www.veganhealth.org

This website offers evidence-based recommendations covering the nutritional features of plant-based diets.

www.nutritionfacts.org

This website provides brief, referenced video clips and articles on numerous aspects of vegetarian nutrition.

www.vegweb.com

VegWeb offers vegetarian recipes, community, and a blog.

www.vegetarian-nutrition.info

Vegetarian Nutrition Info provides topical articles, resources, and news.

Referencias:

JOURNAL OF THE ACADEMY OF NUTRITION AND DIETETICS December 2016 Volume 116 Number 12: http://www.eatrightpro.org/resource/practice/position-and-practice-papers/position-papers/vegetarian-diets.

1. Mangels R, Messina V, Messina M. The Dietitian’s Guide to Vegetarian Diets. 3rd ed. Sudbury, MA: Jones and Bartlett; 2011.

2. Evidence Analysis Library. Pregnancy and nutrition-vegetarian nutrition. 2007. topic.cfm?cat1⁄44322. Accessed June 23, 2016.

3. Piccoli GB, Clari R, Vigotti FN, et al. Vegan-vegetarian diets in pregnancy: Danger or panacea? A systematic narrative review. BJOG. 2015;122(5): 623-633.

4. Stuebe AM, Oken E, Gillman MW. Asso- ciations of diet and physical activity during pregnancy with risk for excessive gestational weight gain. Am J Obstet Gynecol. 2009;201(1). 58.e1-e8.

5. Pistollato F, Sumalla Cano S, Elio I, et al. Plant-based and plant-rich diet patterns during gestation: Beneficial effects and possible shortcomings. Adv Nutr. 2015;6(5):581-591.

6. Procter SB, Campbell CG. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: Nutrition and lifestyle for a healthy pregnancy outcome. J Acad Nutr Diet. 2014;114(7):1099-1103. www.andjrnl. org/article/S2212-2672%2814%2900501-2/ pdf. Accessed June 23, 2016.

7. Kaiser LL, Campbell CG; ; Academy Po- sitions Committee Workgroup. Practice paper of the Academy of Nutrition and Dietetics abstract: Nutrition and lifestyle for a healthy pregnancy outcome. J Acad Nutr Diet. 2014;114(9):1447.

8. Alwan NA, Greenwood DC, Simpson NA, McArdle HJ, Godfrey KM, Cade JE. Di- etary iron intake during early pregnancy and birth outcomes in a cohort of British women. Hum Reprod. 2011;26(4):911- 919.

9. Centers for Disease Control and Preven- tion. Recommendations to prevent and control iron deficiency in the United States. Morb Mortal Wkly Rep. 1998;47(RR-3):1-29.

10. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics. 2012;129(3):e827-e841.

11. Mangels AR, Messina V. Considerations in planning vegan diets: Infants. J Am Diet Assoc. 2001;101(6):670-677.

12. Sabaté J, Wien M. Vegetarian diets and childhood obesity prevention. Am J Clin Nutr. 2010;91(5):1525S-1529S. http:// ajcn.nutrition.org/content/91/5/1525S. long. Accessed June 23, 2016.

13. Evidence Analysis Library. Vegetarian nutrition: Adolescence. 2009. http:// www.andeal.org/topic.cfm?menu1⁄45271 &pcat1⁄43105&cat1⁄44019. Accessed June 23, 2016.

14. Gibson RS, Heath AL, Szymlek-Gay EA. Is iron and zinc nutrition a concern for vegetarian infants and young children in industrialized countries? Am J Clin Nutr. 2014;100(suppl 1):459S-468S.

15. Brants HA, Lowik MR, Westenbrink S, Hulshof KF, Kistemaker C. Adequacy of a vegetarian diet at old age (Dutch Nutri- tion Surveillance System). J Am Coll Nutr. 1990;9(4):292-302.

16. Kurpad AV, Vaz M. Protein and amino acid requirements in the elderly. Eur J Clin Nutr. 2000;54(suppl 3):S131-S142.

17. Davis B, Melina V. Becoming Vegan: Comprehensive Edition. Summertown, TN: Book Publishing Co; 2014.

18. Wacker M, Holick MF. Sunlight and 49. vitamin D: A global perspective for health. Dermatoendocrinol. 2013;5(1):51-108.

Os comentários estão encerrados.