Atletas cada vez mais adotam a dieta vegana

“Eu não quero ser vegan”, disse uma vez David Carter à sua esposa. “Isso é para fracos.”

Ser vegano não é só o modo mais eficiente de ser forte, mas é também o mais humano. Todos ganham.

Ser vegano não é só o modo mais eficiente de ser forte, mas é também o mais humano. Todos ganham.

Na época, Carter era um jogador de defesa da Liga Nacional de Futebol Americano, pesando mais de 136 quilos. Tendo crescido em Los Angeles, foi criado com churrasco no restaurante de sua família e sentia que carne era a sua fonte de força, então não havia como adotar a dieta vegana de sua esposa. Até que ele começou a experimentar problemas de saúde que afetaram sua carreira, que terminou em 2015.

“Eu tenho sido grande e forte”, diz Carter. “Mas … eu estava tomando remédios para pressão alta e sofrendo de danos nos nervos”. Como resultado ele tinha dificuldade em levantar pesos no supino. Em 14 de fevereiro de 2014, sua atitude mudou de repente: “Eu estava bebendo um milkshake e assistindo (documentário sobre direitos dos animais)” Forks Over Knives. “E eu pensei comigo mesmo: ‘É isso, está resolvido’. , eu levantei, joguei fora o milkshake e me tornei vegano.”

Para muitos atletas que mudaram para um estilo de vida vegano, a mudança foi motivada por razões semelhantes à de Carter.

Rich RollA saúde debilitada atormentou Rich Roll antes dele adotar uma dieta baseada em plantas e começar uma carreira como ultramaratonista de classe mundial com 40 anos de idade. E a estrela do tênis Venus Williams escolheu uma alimentação  vegana crudívora  há cinco anos, depois de ser diagnosticada com a síndrome de Sjogren, uma doença do sistema imune que causava dor nas articulações, fadiga e falta de ar.

Junto com essas histórias vem sempre uma questão comum de nao-vegetarianos incrédulos: “Como você obtém proteína suficiente?”

“É sempre a primeira pergunta”, diz Torre Washington, um bodybuilder que tem seguido uma dieta vegana por 18 anos, rindo. “Mas você realmente não precisa de proteína para ficar riscado e magro. Eu busco por nutrientes e foco na variedade.”

Torre Washington

Torre Washington

De fato, os atletas veganos, incluindo Washington, e o 10 vezes medalhista olímpico Carl Lewis – que disse que os atletas têm “as piores dietas do mundo e competem apesar dela” – tendem a concordar que os atletas devem enfatizar o aumento de calorias quando em treinamento, ao contrário de mais proteína.

“Eu nunca conheci um paciente que teve uma deficiência de proteína”, disse a nutricionista esportiva Susan Levin, que também é vegana e corredora  recreacional. “É realmente desnecessário.”

Susan Levin é chefe de educação em nutrição para o Comitê de Médicos sobre Medicina Responsável, organização sem fins lucrativos, que promove a nutrição sem carnes e sem laticínios. Ela cita as diretrizes nutricionais do governo federal norte-americano como um ponto de partida apropriado. Ele recomenda que cerca de 10% do total diário de calorias seja de proteína, o que significa cerca de 200 calorias em uma dieta ideal.

“Proteína é, na verdade, uma porcentagem bastante pequena do que entra em uma dieta saudável”, diz Levin. “A ênfase é realmente em ter uma grande variedade de alimentos nutrientes-densos ao longo do dia, e, porque a proteína é encontrada em quantidades variáveis em plantas, legumes, grãos e nozes, é muito fácil chegar à quantidade recomendada. A maioria dos atletas não precisa de uma dieta diferente, eles só precisam de mais calorias. “

Venus Willians

Venus Willians

Quando Carter, que tem 28 anos, estava em treinamento físico intenso, ele estava consumindo 8.000 a 10.000 calorias por dia e procurando obter cerca de 300 gramas de proteína. “Você precisa se concentrar para obter muitas calorias em um dia”, diz Carter.

Uma vez que ele fez a mudança para uma dieta vegana, ele percebeu que todos os feijões, grãos, frutas e legumes que ele comia o estavam ajudando a ser grande e forte, conseguindo levantar 210kg no supino com uma dieta de bananas, lentilhas e queijo de castanha de caju.

“Os animais maiores e mais fortes do planeta – elefantes, gorilas, rinocerontes – são herbívoros”, diz Carter.

James Loomis, diretor médico do Centro Médico Barnard da PCRM em Washington, admite que preencher de calorias uma dieta vegana ainda não é fácil para os atletas. “Algumas pessoas lutam com isso”, diz ele. “Tente comer 1.000 calorias de quinoa ou mirtilos.”

Loomis, que serviu como interno do time de futebol de St. Louis (agora Los Angeles) Rams e St. Louis Cardinals de beisebol antes de se interessar pela medicina baseada em plantas, viu atletas profissionais desenvolverem sérios problemas de saúde, concentrando-se apenas em comer um monte de calorias.

“Eu chamo isso de ‘bro ciência'”, diz ele. “Eles estão pensando em ficar grande e forte sem pensar no impacto a longo prazo. Mas se ajudarmos a desenvolver hábitos saudáveis em atletas mais jovens, isso os ajuda na pós-carreira. “

Inflamação causada por escolhas dietéticas, que pode levar a uma série de doenças crônicas, é uma preocupação comum para Loomis e Levin. Comer carne e produtos de origem animal tem sido associado à inflamação.

Matt FrazierMatt Frazier, 35, ultramaratonista e autor de “No Meat Athlete” (atleta sem carne), usou uma transição gradual de omnívoro para vegano para sua própria dieta.

“Passei um ano inteiro sem comer animais de quatro patas antes de dar o próximo passo e cortar os animais de duas patas da minha dieta, e depois passei um mês antes de parar de comer peixe”, diz ele. Nesse ponto, Frazier descobriu que sua velocidade e resistência estavam aumentando, levando-o a diminuir 10 minutos do seu tempo de maratona para finalmente se qualificar para a Maratona de Boston. Ao longo dos próximos dois anos, ele gradualmente cortou ovos e laticínios.

“Eu acho que os desafios de curto prazo são uma ótima maneira de mergulhar e ver como é”, diz Frazier. “Experimente um desafio vegetariano ou vegano de 10 dias, e se ele correr bem, faça 30 dias. Ter essa linha de chegada no final mantém você longe de ter que lidar com aqueles pensamentos “Eu nunca vou poder comer um cheeseburger novamente?” Pensamentos que não são úteis quando você está tentando transição.

A temida perda da comida indulgente é um tópico que aparece frequentemente entre ambos atletas veganos e onívoros curiosos. “Eu gosto de fazer junk food que não é realmente junk food”, diz Carter. “O meu prato favorito é nachos com cuscuz, feijão e queijo de castanha de caju. Converti muitos atletas com esse queijo de castanha de caju – eles comem e dizem: “Cara, isso tem mesmo gosto de queijo!”

Abastecendo-se

Atletas não precisam comer uma dieta diferente de não-atletas, a nutricionista  vegana Susan Levin do Comitê de Médicos sobre Medicina Responsável diz; eles só precisam comer muito mais do que outras pessoas para dar a seus corpos o combustível necessário para funcionar.

Levin oferece uma amostra de uma refeição baseada em plantas para um atleta em treinamento (as porções são aproximadamente o dobro da quantidade da refeição que seria a mesma para um não-atleta):

2 xícaras de arroz integral, cozido

1 xícara de feijão vermelho

2 xícaras de espinafre cru, cozido no vapor

1 xícara de salsa

1 xícara de milho

1 xícara de brócolis, cozidos

1,5 xícaras de morangos inteiros

Total de calorias: 1.026

Total de carboidratos: 210 gramas

Proteína total: 41 gramas

Gordura total: 8 gramas

Fonte: http://www.journalgazette.net/sports/Athletes-increasingly-turn-to-vegan-diets-16523371

Os comentários estão encerrados.